sábado, 5 de novembro de 2011

Plantar e Cuidar

1. Como as sementes são muito pequeninas, não é necessário fazer um buraco para enterra-las, apenas coloque-as sobre a terra.

2. Regar de preferência pela manhã, acompanhada do mantra específico, se achar necessário, molhe mais vezes durante o dia. Mas tudo depende do vaso, do local onde ela está, do ambiente em geral.

3. Ao plantar é necessário que o vaso tenha uma boa drenagem, uma dica boa e barata é forrar o fundo do vaso com argila expandida, para que escoe o excesso de água. Tulasi não gosta de terra muito úmida.

 
obs: evite as pedras sobre a terra


4. Na terra, também, pode-se misturar areia lavada, melhorando a aeração e não deixando a água empoçar. Plantar em vaso de cerâmica também ajuda a terra não permanecer muito tempo úmida, pois a cerâmica absorve um pouco da água.

5. A melhor época para plantar a sementes é primavera e verão.

6. Sol – de preferência pela manhã. Escolha um local aberto, arejado, que tenha sol pela manhã, que seja quente.

7. Evite ficar mudando a Tulasi de lugar, como qualquer outra planta ela sente a mudança. Tente cultiva-la sempre no mesmo local.

8. Replantar – alguns devotos não concordam em replantar a Tulasi, já outros acreditam que deve ser replantada sempre que necessário. Eu, particularmente, quando percebo que a Tulasi está grande e o vaso pequeno para o seu tamanho, eu troco por um vaso maior, sempre seguindo o esquema de drenagem que já expliquei. Portanto, fica a critério de cada um.

9. Raiz – o importante é que, quando replantar, tente não mexer nas raízes, retire o torrão inteiro, coloque no outro vaso (maior) e complete com mais terra. Será menos traumático para Tulasi.

10. Adubação – estrume de vaca. Não se pode usar nada químico para adubar. Ao plantar, coloque no fundo do vaso, argila expandida, depois uma camada de terra (pode estar misturada com areia lavada), encima dessa camada, coloque o adubo misturado com terra e no final a terra (com areia lavada).

11. Ao replantar, não afogue a Tulasi na areia, não coloque terra acima de onde já estava. Não cubra mais seu caule com terra.

12. Pulgões e outras pragas* – o melhor a fazer é fumo de corda com água, pulverize essa mistura na praga e a retire de preferência com um cotonete. Lembre-se que Tulasi é uma planta “comestível”, portanto, não use nada que poderia prejudicar a Tulasi, e nem a sua saúde. (saiba mais sobre controle de pragas no final deste capítulo)

13. Manjaris – não os deixe secar no pé. Se estiverem floridos, podem ser oferecidos às deidades, se não mais tiverem flores, podem ser retirados e armazenados. Deixe-os secar, as sementes estão nos manjaris. Se quiser, depois de secar, poderá plantar. Deixar os manjaris secar no pé enfraquece a Tulasi. Não se esqueçam dos mantras antes e depois de retirar as manjaris.

14. No verão, é a época em que mais saem manjaris, esses são os melhores para plantar. Deixe os manjaris secarem para plantar.

15. Vida – Tulasi vive em média 2 anos. Quando ela quer, abandona o corpo, não tente fazer milagres para salvá-la, tente um adubo (estrume de vaca), se não resolver, deixe-a ir, ela cumpriu sua função. Apenas agradeça o tempo de sua companhia.

16. Poda – mais uma vez, alguns devotos não concordam em podar a Tulasi, outros concordam. Eu particularmente, acho necessário a poda, afinal Tulasi é uma Deusa, mas está na forma de planta, e “eu” acredito que deve ser tomado o cuidado de planta com ela. Retire os galhos secos. Assim ela ficará mais forte. Lembrando-se sempre de quando podar, pronunciar o mantra.

17. Evite ficar tocando na Tulasi, sente perto dela para cantar sua japa, circule a Tulasi enquanto canta sua japa (sentido horário), ou sente-se perto dela apenas para aprecia-la.

18. Tulasi é sagrada e tudo nela é sagrado, desde o solo em que está plantada até sua sombra.

19. Tulasi dorme as 20:00h, portanto, evite manuseá-la após esse horário.

20. Não se deve mexer na Tulasi no dia seguinte ao Ekadasi “DVADASÍ”. Neste dia “evite” regar também.


CONTROLE E PREVENÇÃO DE PRAGAS:

MÉTODOS NATURAIS

“1. Chá de Cavalinha (Equisetum arvense ou E. giganteum)

Indicação - é muito indicada e empregada na horticultura orgânica para aumentar a resistência das plantas contra insetos nocivos em geral. Preparo e aplicação - ingredientes: 100 gramas de cavalinha seca ou 300 gramas de planta verde; 10 litros de água para maceração e 90 litros de água para diluição. Preparo: ferver as folhas de cavalinha em 10 litros de água por 20 minutos. Diluir a calda resultante em 90 litros de água. Aplicação: regar ou pulverizar as plantas, alternando com a urtiga. Fonte: Geraldo Deffune, 1992.

2. Confrei

Indicação - combate a pulgões em hortaliças e frutíferas e como adubo foliar.Preparo e aplicação - ingredientes: 1,0 kg de confrei e água para diluição. Utilizar o liqüidificador para triturar 1 quilo de folhas de confrei com água ou então deixar em infusão por 10 dias. Acrescentar 10 litros de água. Aplicação: pulverizar periodicamente as plantas.

3. Cravo de Defunto (Tagetes sp)

Indicação - combate a pulgões, ácaros e algumas lagartas. Preparo e aplicação - ingredientes: 1 kg de folhas e/ou talo de cravo-de-defunto e 10 litros de água. Preparo: misturar 1 quilo de folhas e/ou talos de cravo-de-defunto em 10 litros de água. Levar ao fogo e deixar ferver durante meia hora ou então deixar de molho (picado) por dois dias.. Aplicação: Coar o caldo obtido e pulverizar as plantas atacadas.

4. Fumo de Corda

Para controle de pulgões, cochonilhas, grilos, vaga-lumes. Ingredientes: 15 a 20 cm de fumo em corda e água. Preparo: Coloque o fumo em corda deixando de molho durante 24 horas, com água suficiente para cobrir o recipiente. Aplicação: Para cada litro de água, use 5 colheres (de sopa) dessa mistura, usando no mesmo dia.

5. NEEM (Nim) (Azadirachta indica)

Indicação: pragas de hortaliças, traças, lagartas, pulgões, gafanhotos, etc. Recomendada como inseticida e repelente de pragas em geral. É uma das plantas de maior potencial no controle de pragas, atuando sobre 95% dos insetos nocivos. Já é utilizada comercialmente em vários países do mundo. Tem como princípio ativo Azadiractina, podendo ser aproveitado as suas folhas e frutos para extrair esse ingrediente ativo de largo emprego inseticida. Nas doses recomendadas é um produto sem efeitos de toxicidade ao homem e aos animais. Receita - Óleo de Nim é empregado na dosagem de 0,5% (0,5 litro em 100 litros de água) pulverizado sobre as folhagens e frutos. No caso do emprego de sementes, o procedimento é o seguinte: 25-50 g de sementes moídas (amarradas em um pano); 1 litro de água, deixando repousar por 1 dia. Indicação: lagarta do cartucho, lagarta das hortaliças, gafanhoto. 5 Kg de sementes secas e moídas; 5 litros de água e 10 g de sabão. Colocar os 5 quilos de sementes de Neem moídas em um saco de pano, amarrar e colocar em 5 litros de água. Depois de 12 horas, espremer e dissolver 10 gramas de sabão neste extrato. Misture bem e acrescente água para obter 100 litros de preparado. Aplique sobre as plantas infestadas, imediatamente após preparado. O prensado de Neem pode ser utilizado misturando-se com o solo na base de 1 a 2 t/ha. Esta medida protege as beringelas contra minadoras e tomates contra nematóides e septorioses.

6. Plantas Benéficas

Há na vegetação natural plantas que servem de abrigo e reprodução dos insetos que se alimentam das pragas. O manejo correto destas ervas e da adubação verde permitirá o incremento da fauna benéfica e o controle biológico natural. Dentre as plantas que servem para o manejo ecológico, estão a Ageratum conyzoides (mentrasto), Raphanus raphanistrum (nabo forrageiro), Euphorbia brasilensis (erva-de-santa-luzia), Sorghum bicolor (sorgo granífero) e em segundo lugar: Portulaca oleracea (beldoega), Amaranthus deflexus (caruru rasteiro, caruru). No caso do sorgo, suas panículas em flor favorecem o abrigo e a reprodução de insetos e ácaros benéficos, como o percevejo Orius insidiosus, predador de lagartas, ácaros e tripes da cebola. Outras plantas fornecem o polén como alimento para os ácaros predadores e néctar para as vespinhas parasitas de pragas. Para vários pesquisadores, pode ser constituido na propriedade um programa de manejo ecológico com mentrasto e outras plantas que vegetam bem verão e início do outono, complementadas com o plantio no inverno de nabo forrageiro ou o sorgo. Há no entanto, plantas que são desfavoráveis à preservação e aumento de inimigos naturais das pragas, como: mamona, capim fino, grama seda, capim amargoso, guanxuma, tiririca, braquiária, picão branco, carrapicho carneiro, etc.

7. Plantas Companheiras

A instalação de linhas de plantas companheiras pode ser benéfico em pequenas áreas para a repelência de pragas nocivas. Entre outras, são conhecidos os efeitos repelentes das seguintes plantas, bastante comuns: Alecrim repele borboleta da couve e moscas da cenoura. Hortelã repele formigas, ratos e borboleta da couve. Mastruço repele afídeos e outros insetos. Tomilho repele borboleta da couve. Sálvia repele mariposa do repolho. Urtiga repele percevejo do tomate. O plantio da Trefosia candida, por conter o princípio ativo da rotenona, vem sendo recomendado para a formação de barreira vegetal contra pragas, servindo também como quebra-ventos. Outras plantas como a erva-cidreira e o girassol são também indicadas para repelir pragas dos cultivos. O gergelim é outra planta útil, que é cortado e levado pelas saúvas, intoxicando o fungo do qual se alimentam.

8. Farinha de Trigo

Indicação - a farinha de trigo de uso doméstico pode ser efetiva no controle de ácaros, pulgões e lagartas em horta domésticas e comunitárias. Preparo e Aplicação: o seu emprego é favorável em dias quentes e secos, com sol. Aplicar de manhã em cobertura total nas folhas. Mais tarde, as folhas secando com o sol, forma uma película que envolve as pragas e caem com o vento. Ela pode ser pulverizada em vegetais sujeitos ao ataque de lagartas. Preparo: diluir 1 colher de sopa (20 g) em 1,0 litro de água e pulverize nas folhas atacadas. Repetir depois de 2 semanas.

9. Leite

Indicação - o leite na sua forma natural ou como soro de leite é indicado para controle de ácaros e ovos de diversas lagartas, atrativo para lesmas e no combate de várias doenças fúngicas e viróticas. O seu emprego é recomendado para hortas domésticas e comunitárias. Preparo e recomendações: um dos métodos recomendados, é diluir 1 litro de leite em 3 a 10 litros de água e pulverizar as plantas. Repetir depois de 10 dias para doenças e 3 semanas quando aplicado contra insetos. A mistura de leite azedo com água e cinza de madeira, é citado como efetivo no controle de míldio. Há indicações do uso do leite como atrativo para lesmas. Distribuir no chão, ao redor das plantas, estopa ou saco de amiagem molhado com água e um pouco de leite. De manhã, virar a estopa ou o saco utilizado e matar as lesmas que se reuniram embaixo. Pode ser utilizado como fungicida no pimentão, pepino, tomate, batata. Sem contra-indicação para hortaliças. Preparar mistura com: 2,5 litros de leite, 1,5 kg de cinza de madeira, 1,5 kg de esterco fresco de bovino e 1,5 kg de açúcar. Aplicar no tomate a cada 10 dias, aplicar no café a cada 15 a 30 dias.”

10. Chá de arruda – pulverizar a planta

11. Infusão de Losna – pulverizar a planta

4 comentários:

  1. Boa tarde,

    Gostaria muito de obter sementes para o que eu possa adorar Srimati Tulasi Devi e trazer Vrndavana mais para perto de meu coracao. Como posso consegui-las?

    ResponderExcluir
  2. Como posso consegui-las?

    ResponderExcluir
  3. Bom dia!

    Gostaria muito de obter as sementes, como posso fazer isto?

    Aguardo seu retorno!

    Obrigada!

    ResponderExcluir